Avaliação Física – Aliado 01

Algumas pessoas dentro da área da musculação, treinamento individualizado, performance, estético, condicionamento físico, hipertrofia, emagrecimento etc. muitas vezes chegam ao chamado “Platô” e não sabem como fugir do mesmo.

Primeiro lugar vamos entender o que significa a palavra “Platô” na área da musculação; Platô nada mais é do que um estágio de estagnação, onde o corpo não consegue mais alcançar os seus objetivos sejam eles quais forem.

Assim sendo, irei abordar três aliados para vocês fugirem dessa estagnação ou nem precisar entrar nela dentro de estratégias de treinos que irão auxiliar e potencializar seus resultados de forma natural.

O aliado número um que abordaremos hoje será a avaliação física. A avaliação física consiste em fazer uma anamnese (análise) do avaliado a fim de; descobrir em primeiro momento qual é a seu tipo de corpo, ou seja, seu somatotipo (endomorfo, ectomorfo, mesomorfo).

Descobrir quem você é dentro desse divisão; é o primeiro passo a ser dado, para poder se montar uma planilha de treinos adequada para cada indivíduo; afinal de contas, treinos não são receitas de bolo, onde 4 séries de 10 repetições não serve para todo mundo, nem tão pouco 3 séries de 15. O ideal é que se saiba em primeiro lugar tudo sobre sua anamnese, para aí sim começar o seu treino dentro dos seus objetivos específicos.

Tenho um cliente homem que recentemente veio me procurar e mostrou dentro de um aplicativo no seu smartphone um treino de adaptação que ele recebeu. Segundo ele; este treino foi passado para começar os trabalhos de musculação e não foi feita nenhuma avaliação sumária, e o tal treino pasmem vocês que foi montado para ele, tinha como prescrição treino FEMININO; não estou aqui dizendo ou pregando sobre divisões de gênero dentro da musculação, pois treino é treino não importa a especificidade, porém não era o que ele queria.

Numa avaliação física eu por exemplo analiso, Somatotipos, Constituição Corporal, Antropometria (medidas corporais), Percentual de Gordura (%G) onde analisamos Massa Magra, Massa Gorda, Fotometria (onde conseguimos averiguar ainda se o aluno tem algum desnível ósseo), Cifose, Lordose, Hiperlordose, Protusão ou Desvios de Ombros etc. Já na academia podemos ainda avaliar RML (resistência muscular localizada), 1RM (uma repetição máxima) entre outros para não prejudicar o aluno com excesso de carga entre outros pormenores.

Com base nesses dados, após 20 ou 30 treinos em média, retornamos, sentarmos, reavaliamos e averiguamos os pontos que deram certo ou errado, para prosseguirmos rumo aos objetivos ou novos objetivos. A reavaliação é a prova real para o cliente ver onde o dinheiro dele está sendo aplicado e ter certeza de que vale a pena sim investir no treino individualizado.

Vamos exemplificar de uma forma aleatória as questões da avaliação. Imaginando um carro que foi capotado e o proprietário deseja pintar o mesmo, se o mecânico fizer esse serviço de pintura; além dele ser um péssimo profissional, tenha certeza que o “serviço” não vai ficar bom, pois ele precisaria primeiro desamassar esse carro, trocar peças e fazer os reparos necessários; para depois proceder com a pintura.

O exemplo supra é igual para a área corporal, se alguém procura emagrecimento, mas está com dores articulares no joelho, provavelmente se colocarmos esse aluno a correr numa esteira iremos prejudica-lo ainda mais, sendo assim; o primordial é fortalecer a região muscular em torno da articulação já comprometida, ter em mãos um exame de imagens mais aprofundado e analisar se é o caso de fisioterapia ou outro diagnóstico mais avançado, para aí sim ir de encontro ao anseio do aluno que neste caso é eliminar gordura.

Em resumo; você sabe qual é sua composição corporal? Seu percentual de gordura? Qual é sua massa magra ou gorda? Sabe se seu treino e dieta estão de acordo com seu corpo? Qual é sua RML? Qual sua 1RM?

Qual foi sua última avaliação? Pior, você nunca fez uma avaliação como as citadas acima?

Se as respostas são todas NÃO; provavelmente você faz parte do grupo que diz que treinar e fazer dieta não adianta, pois sempre foi mau orientado ou assessorado. Você não começa uma casa sem um projeto, sem um alicerce ou fundação. Na musculação não é diferente.

Quando você pensar que um Personal é caro, lembre-se que corpo você só tem um, e é por isso que quando você procura um médico; pesquisa o melhor ou o especialista na área, pois o remédio que um toma, não será o mesmo para outrem. A máxima que o barato sai caro, é muito aplicável dentro das salas de musculação, todo cuidado é pouco.                

Bons treinos, respeite seus limites e nunca treine sem a orientação de um profissional.

Josué da Costa Gama
PERSONAL TRAINER
CREF 022183-G / PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *