Percepções do Sorriso

Como Ortodontistas podemos “alinhar dentes”, mas também podemos construir sorrisos extraordinários.

Mas qual a diferença entre dentes alinhados e um sorriso extraordinário?

Primeiro temos que ter em mente a seguinte frase: “Diferentes pessoas olham as mesmas coisas e tem diferentes percepções”.

Entender este princípio é o passo inicial para saber avaliar diferenças sutis, que   podem fazer sentido para uns e para outros não. Porém, quando colocamos imagens de sorrisos lado a lado, o que tem características extraordinárias, se destaca. Além da percepção individual de cada um, temos outros fatores que influenciam a análise. Os registros fotográficos são estáticos, e registram um momento, que dependem não só da imagem registrada, mas da iluminação do local, da qualidade da fotografia, do domínio do equipamento fotográfico e da posição onde se faz o registro do sorriso. (Figura 1)

O sorriso se manifesta de duas formas: O Sorriso “social”, onde os lábios são motivados por uma felicidade ou algo bom, mas que não expressam totalmente a sua mobilidade; e o Sorriso “real”, onde os lábios são motivados por algo muito engraçado e expressam a sua mobilidade totalmente. Devemos tratar o sorriso real, por isso é muito importante que o registro fotográfico consiga registrar o sorriso máximo. (Figura 2)

figura 02

A partir da década de 90, a Odontologia, e mais precisamente a Ortodontia, passou a enxergar melhor as características dos belos sorrisos, avaliados em pesquisas científicas, e passou a incrementar estratégias que conferem, não somente o alinhamento e os aspectos de encaixes funcionais dos dentes, mas a construção de um alinhamento que contemple aspectos que realçam a beleza e a jovialidade da face.

A principal característica que surgiu destas observações, foi o que chamamos “Arco do Sorriso”, caracterizado pela curvatura que as bordas inferiores dos dentes superiores fazem acompanhando a curvatura do lábio inferior. (Figura 3)

figura 03

Segundo estudos científicos, 60% dos indivíduos apresentam o arco do sorriso do tipo “consonante e agradável”(curvo); 34% apresentam arco tipo “plano”; e 5% do tipo “invertido”. (Figura 4)

figura 04

Durante o processo de envelhecimento, devido a flacidez dos tecidos, os lábios tendem a assumir uma postura mais baixa, escondendo os dentes superiores e mostrando mais os dentes inferiores. (Figura 5)

figura 05

Por isso, para cada idade temos um sorriso. Assim como o cirurgião plástico pode rejuvenescer o rosto, também podemos rejuvenescer o sorriso, melhorando a exposição anterior dos dentes. Porém, existem fatores que fogem do alcance da Ortodontia, como a mobilidade labial, ao sorrir, que muda de um paciente para outro. Assim, nem sempre podemos implementar a melhor relação dos dentes com os lábios no Arco do Sorriso. Isso ocorre quando o indivíduo tem alguma variação anatômica nos lábios, falta de mobilidade adequada em um dos lados, ou a própria conformação do desenho do sorriso. (Figura 6)

figura 06

Ocorre em muitos casos tratados com aparelho ortodôntico, pela inabilidade ou falta de conhecimento profissional, a piora no Arco do Sorriso, como nesse caso da figura 6, onde a paciente havia feito dois tratamentos e continuava descontente com o sorriso. Ao corrigirmos o posicionamento dos dentes mais anteriores, conseguimos desenhar melhor o Arco do Sorriso, e juntamente com a estética, atingir as expectativas desta paciente, que tinha um alto grau de exigência estética. (Figura 7)

figura 07

 Outro aspecto que influencia o Arco do Sorriso, é a alteração de tamanho dos maxilares que suportam os dentes, tanto superiores quanto inferiores. Alterações verticais podem mostrar gengiva em excesso ou o contrário, não aparecer os dentes superiores no sorriso. (Figura 8)

figura 08

E alterações anteroposteriores podem deixar os dentes muito recuados em relação a face, e com alterações nas inclinações, prejudicando a visualização do Arco do Sorriso.

figura 09

Dentes desgastados ou com alteração de forma também podem alterar o Arco do Sorriso (Figura 10)

figura 10

A exposição maior de um lado, quando não há alteração na postura dos lábios, pode acontecer por inclinação do plano oclusal ou por uma alteração do esqueleto facial. Ambas podem ter uma resolução simples ou necessitar além do aparelho ortodôntico, a cirurgia ortognática. Esse caso foi resolvido apenas com aparelho. (Figura 11)

figura 11

E por último temos as inclinações dentárias que podem diminuir ou ampliar o Arco do Sorriso. Dentes inclinados para dentro diminuem o Arco, e dentes mais verticalizados aumentam o Arco. (Figura 12)

Pode ser gosto pessoal, mas na minha opinião, dentes verticalizados deixam o Arco do Sorriso mais bonito. Os arcos, com inclinação dos dentes para dentro, podem ser causados, por tratamentos ortodônticos, que envolvam extrações dentárias, muito usadas na Ortodontia Convencional ou pelo próprio aparelho ortodôntico, que salvo poucas exceções, foram desenhados para gerar estas inclinações.                

Como visto, são muitos os aspectos que envolvem o design do sorriso, ou mais precisamente o Arco do Sorriso. Ele está na dependência de fatores anatômicos, da forma do registro fotográfico e também do conhecimento profissional, assim como a percepção individual de cada um. Assim, podemos “alinhar dentes”, ou podemos construir sorrisos extraordinários.

André Zambonato
MESTRE EM ORTODONTIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *